30 de março de 2017

Abate de dezenas de Árvores nas traseiras dos Lotes A, B, C e D no Bairro da Boavista


Através da Associação Recreativa de Moradores e Amigos do Bairro da Boavista, tivemos conhecimento do que está acontecer nas traseiras dos lotes A, B, C e D. Desde segunda feira está a decorrer uma "limpeza", dezenas de árvores foram abatidas sem dó nem piedade. Tentamos contactar o Centro de Interpretação Espaço Monsanto, numa tentativa de esclarecimento com a chefe de divisão, por duas vezes a mesma está indisponível. 

Esta tarde ligamos para o gabinete do Vereador Sá Fernandes, o mesmo estava no Espaço Monsanto, numa conferencia Certificação do Parque Florestal de Monsanto, será que estão a valorizar?.

Uma zona protegida, Parque Florestal de Monsanto recebeu em 2016 a Certificação da Gestão Florestal no âmbito do FSC (Forest Stewardship Council), a mais importante certificação. O Único parque Florestal em meio Urbano na Europa. 

Este abate de árvores surgem por causa da expansão GDD - Grupo Desportivo de Direito Rugby, é uma obra legal e aprovada pelo Senhor Vereador Sá Fernandes a 8/7/2016. Hoje pelas 17h, foi informado em 1992, gestão autarquia do PS/CDU foi entregue ao Grupo Desportivo Direito  96 mil metros quadrados, previsto campo golfe prejudicando a população do Bairro da Boavista.... proposta do Vereador dos Espaços Verdes, em 2013 foi reduzir a proposta inicial,  ficando pelos 74 mil metros quadrados, proposta apresentada e  aprovada 2013 por unanimidade, devolvendo à cidade 22 mil quadrados.

Após contactar a presidente da ARMABB, a mesma não concorda com o "assassino ambiental" que a Câmara autorizou para "satisfazer elite Lisboeta". Aproveitando a frase do primeiro ministro que disse: "que os acordos também o desfazem", questionou porque o presidente da CML não o fez??? E porque não pediram parecer à Associação de Moradores. A zona em causa, será vedada à população, impossibilitando as caminhadas e as crianças do centro de acolhimento infantil possam praticar as suas actividades ao ar livre.  

Não havendo terreno disponível para construir uma escola nova, e abater árvores estava fora de questão (dentro da escola) e agora para o Grupo Desportivo Directo "abatem árvores a torto e a direito" , clube esse que não têm afinidade com o Bairro. O que é que aconteceu aqui?









Os "Miudos do BBV" na Futuralia, Feira da Educação e Formação

Miguel Santos com o Presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo Sousa 

O Curso de Pastelaria e Cozinha a desenvolver as aulas praticas na cozinha comunitária na sede da Associação Recreativa de Moradores e Amigos do Bairro da Boavista (espaço este financiado pelos programas bip zip), foi expor alguns dos seus trabalhos na Futuralia, uma feira de Formação e Educação.

Este curso é uma parceria entre a Junta freguesia de Benfica e o SISEP,  recebe utentes da área de Lisboa, mas no Bairro da Boavista existe entre outros o Tiago Nelson, Miguel Santos, Vitor,  João Garcia. 






Faleceu o "Avô da Rua" DOMINGOS PENICHE AGRELO


Uma verdadeira perca para a família, mas para uma rua onde o senhor Domingos Agrelo viveu... Lembro desde sempre o fogareiro que ele acendia nessa rua, que todos intitulavam como o Avô da Rua. 

Deixo aqui a informação: "Amigos e Familiares o Velório será dia 30-03-2017 pelas 16h00 nas Furnas . O Funeral será Sexta-Feira pelas 11h00 no Cemitério de Benfica"

Descanse em Paz!


29 de março de 2017

"Uma Aula em cada Bairro", dia 31 de Março será no BAIRRO DA BOAVISTA

"Uma Aula em cada Bairro" é uma nova atividade de desporto e saúde, mensal e gratuita, à disposição dos moradores de Benfica!
Agora, nas últimas sextas feiras de cada mês, é possível participar numa aula ao ar livre e praticar atividade física num dos Bairros da freguesia.
O Bairro da Boavista, no dia 31 de março, vai ser o próximo bairro a receber esta atividade mensal, totalmente gratuita e aberta a toda a população.
Para participar, basta trazer o equipamento adequado e aparecer!

O Clube Social lidera 12 pontos, o Torneio de Futebol 7 de Veteranos da Freguesia de Benfica



Decorreu ontem mais uma jornada do Torneio de Futebol 7 de Veteranos da Freguesia de Benfica.
Os jogos e resultados da 3ª jornada foram: Oculistas do Bairro – 3 vs Clube Desportivo Lisboa e Águias - 1, Policia de Segurança Publica – 4 vs Clube Futebol Benfica – 1, Clube Social e Desportivo do Bairro da Boavista – 6 vs Junta de Freguesia de Benfica – 1.
A classificação é liderada pelo Clube Social e Desportivo do Bairro da Boavista com 9 Pontos.
Dário Ramos, do Clube Social e Desportivo do Bairro da Boavista, é o melhor marcador do campeonato com 12 Golos em 3 Jogos.
Para mais informações consulte o site www.jf-benfica.pt

Parabéns a todas as equipas pelo fair-play, boa disposição e convívio ao longo das jornadas.

16 de março de 2017

Reunião com os Parceiros do Monsanto Primavera Fest,lançamento oficial dia 21 de Março às 18h


Decorreu hoje a reunião de preparação do Monsanto Primavera Fest, no palácio da Alfarrobeira com a presença das Associações das duas freguesias que vão ajudar a abrilhantar o festival.


Na próxima terça-feira dia 21, decorrerá o lançamento oficial no C.C Fonte Nova pelas 18h.

15 de março de 2017

O Clube "Social" entrou no 1º Campeonato Veteranos de Benfica com uma grande vitória...


Iniciou hoje o 1° campeonato de Veteranos de Benfica com jogos entre o Social e o Oculista do Bairro e o Casa Pia com a PSP.

 
Um grande espírito de fair play entre as equipas e o merecido convivio no final dos jogos.



Resultados:
Social -10 vs O.Bairro - 0;
Casa Pia - 2 vs PSP 2.

O bairro da Boavista também processou Guerreiro e aguarda uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça

Duas das quatro marchas de Lisboa lesadas por figurinista ainda reclamam justiça


1
O bairro da Bica vai avançar com uma ação judicial contra o figurinista Joaquim Guerreiro. O bairro da Boavista também processou Guerreiro e aguarda uma decisão do Supremo Tribunal de Justiça

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA
Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre
As marchas populares dos bairros lisboetas da Bica e da Boavista ainda reclamam hoje justiça pelo incumprimento do figurinista contratado em 2016, enquanto as outras duas marchas lesadas – Alto do Pina e Lumiar – já resolveram a situação.
“Não se pode lesar uma marcha, seja no valor que for, e passar impune”, afirmou à Lusa o responsável da marcha da Bica, Pedro Duarte, lembrando que pagou 18.500 euros — 95% do projeto contrato — ao figurinista e, depois, devido à “não conclusão” dos trabalhos no prazo contratualizado, teve que desembolsar “entre sete a dez mil euros” para que a marcha pudesse sair à rua.
De acordo com Pedro Duarte, os prejuízos são “morais e materiais”, pelo que o bairro da Bica vai avançar com um processo judicial contra o figurinista contratado, algo que só não aconteceu antes devido às recentes eleições na coletividade.
“O principal objetivo é tentar ser ressarcido ao máximo do prejuízo que sofremos”, disse o responsável da marcha da Bica.
Para o bairro da Boavista, a participação nas marchas populares de Lisboa de 2016 foi “uma má estreia” ainda mais porque a experiência não se vai repetir este ano.
Segundo a responsável da marcha da Boavista, Gilda Caldeira, a marcha não estar este ano em concurso “deve-se muito ao trabalho desse senhor”, referindo-se ao incumprimento do figurinista Joaquim Guerreiro.
“Demos-lhe 22 mil euros e gastamos mais 18 mil” para acabar os fatos dos marchantes que tinham sido contratualizados e que não foram garantidos, recordou Gilda Caldeira, reforçando que, no total, foram gastos 40 mil euros para que a marcha da Boavista pudesse desfilar pela primeira vez.
O bairro da Boavista avançou com uma queixa-crime contra Joaquim Guerreiro por burla qualificada, mas o Ministério Público deliberou o arquivamento do inquérito, pelo que a responsável da marcha decidiu recorrer para o Supremo Tribunal de Justiça.
“Estamos à espera daquilo que o Supremo decida. Se o Supremo decidir que também é arquivado, só podemos fazer-lhe um processo cível para ver se nos indemniza”, indicou Gilda Caldeira, referindo que os moradores do bairro estão “completamente desiludidos pela decisão do Ministério Público”.
À semelhança da Boavista, a marcha do Lumiar também foi lesada pelo figurinista Joaquim Guerreiro e também acabou por ficar de fora do concurso.
“Significativo foi o prejuízo do ponto de vista artístico, na medida em que ficamos de fora do concurso muito por razões relacionadas com o trabalho do Joaquim Guerreiro”, declarou à Lusa o responsável da marcha do Lumiar, Artur Botão, acrescentando que, do ponto de vista financeiro, os danos “não foram muito significativos”, uma vez que o figurinista entregou o trabalho “num estado avançado de confeção”.
“Tivemos que acabar o trabalho dele, tivemos que comprar alguns materiais, mas também não liquidamos a última tranche [do valor contratado], porque o trabalho não foi entregue pronto”, explicou.
Questionado sobre a intenção de avançar judicialmente contra o figurinista, Artur Botão esclareceu que o custo-benefício dessa ação, “cujo desfecho seria imprevisível”, podia não compensar todo o trabalho que dá um processo judicial, pelo que se resolveu dar o assunto por encerrado.
Na marcha do Alto do Pina, o prejuízo foi “na ordem dos sete mil euros”, referiu o ex-responsável Pedro Jesus, que esteve a chefiar a marcha até dezembro, contando que a atual direção contratou novamente o figurinista Joaquim Guerreiro, que “vai fazer um desconto sobre o valor global do projeto”, de forma a compensar o que aconteceu em 2016.
“O acordo é ótimo e compensa o prejuízo que houve o ano passado”, declarou o atual responsável da marcha do Alto do Pina, Marco Campos, escusando-se a revelar pormenores do contrato.
Em resposta escrita à Lusa, o figurinista Joaquim Guerreiro esclareceu que o que aconteceu “não tem absolutamente nada a ver com algum tipo de burla”.
“De forma simplista, o que aconteceu é que não havia dinheiro para desenvolver os projetos apresentados em tempo útil, para que estes pudessem ser concluídos da forma acordada, tendo eu, no entanto, colaborado da melhor forma possível com as coletividades, até me ser humanamente e dignamente possível”, declarou Joaquim Guerreiro.

7 de março de 2017

Programa de rendas convencionadas em habitações municipais já conta com mais de mil interessados


A Câmara Municipal de Lisboa ainda está a receber candidaturas para o programa de rendas convencionadas em habitações municipais. Mas contam-se já mais de mil interessados, noticiou o Correio da Manhã. 

Os números foram avançados por Paula Marques, vereadora da Habitação Social numa altura em que o programa ainda decorre. A autarquia levou a este concurso apenas dez habitações com rendas que variam entre 116 e 474 euros. - Veja mais em: https://www.dinheirovivo.pt/empresas/mais-de-mil-candidatos-para-as-10-rendas-baixas-de-lisboa/#sthash.E9heP9bJ.dpuf

5 de março de 2017

Moradores de bairros sociais queixam-se de "injustiças" na lei da renda apoiada

Moradores de bairros sociais queixam-se de "injustiças" na lei da renda apoiada

Bairro da Boavista
Cerca de 200 moradores do bairro das Amendoeiras tentam impedir a aplicação do atual regime de arrendamento na justiça
Em vigor há dois anos e com alterações há seis meses, o regime de arrendamento apoiado permanece com "injustiças" em relação ao valor das rendas e às condições das habitações, afirmaram hoje à Lusa moradores de bairros sociais de Lisboa.
"As leis saem, mas se for para beneficiar o Estado, é logo aplicada, se for para beneficiar os inquilinos, demora muito tempo", criticou Maria Borges, moradora no bairro da Boavista, em Lisboa, onde a habitação social é gerida pela empresa municipal Gebalis.
A viver desde sempre no bairro, Maria Borges, de 42 anos, viu a renda ser aumentada com a aplicação do atual regime de arrendamento apoiado. Já as alterações introduzidas em setembro, em que se passa a considerar o rendimento líquido em vez do rendimento bruto, "infelizmente ainda não tiveram impacto".
"Espero bem que me baixem a renda", expressou a moradora, referindo que já esteve a pagar 90 euros, depois passou para 113 euros, depois para 132 euros e há dois anos passou para 150 euros.
Com um total de sete pessoas no agregado familiar, quatro deles menores, um jovem adulto sem rendimentos e dois adultos desempregados, a família de Maria Borges vive atualmente com cerca de 700 euros dos subsídios de desemprego.
Para Maria Borges, o mais justo era ter uma renda na ordem dos 50 euros, pelo que já pediu a redução da renda, mas ainda não obteve resposta.
Além do valor da renda, Maria Borges queixa-se da falta de condições da habitação onde vive, um T3 para sete pessoas, em que "há humidade por tudo quanto é sítio" e "quando chove torrencialmente pinga dentro do quarto".
"Os prédios estão todos degradados. O bairro está empestado de baratas e de ratos. Aqui os ratos passam como nós andamos na rua", indicou.
Do outro lado da cidade de Lisboa, na freguesia de Marvila, no bairro das Amendoeiras, onde a habitação social é gerida pelo Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana [IHRU], cerca de 200 moradores avançaram com uma providência cautelar conjunta para impedir o aumento das rendas devido à aplicação do atual regime.
Reformados, Orlando Vaz e Vítor Vieira recordam que "ocuparam de assalto" as casas do bairro das Amendoeiras três dias após a revolução de 25 de abril de 1974. As habitações tinham sido acabadas de construir para dar às Forças Armadas do antigo regime, o que acabou por não acontecer. Já lá vivem há mais de 40 anos.
Em 1974, Orlando Vaz acordou pagar de renda "665 escudos [3,32 euros]" por um T2, valor que se manteve inalterado até hoje, por ter contestado os aumentos anunciados pelo IHRU, através de providência cautelar conjunta.
"Os 3,32 euros por mês não é uma renda justa, mas também não é justa uma renda de 40 contos, ou seja, 200 euros, que é o que eles dizem", referiu Orlando Vaz, acrescentando que o IHRU nunca se preocupou em fazer obras nas habitações, pelo que tiveram que ser os moradores a investir na manutenção das casas.
Na mesma situação encontra-se Vítor Vieira, em que a renda nunca foi mexida ao longo dos mais de 40 anos, continuando a pagar 4,21 euros por um T3 no bairro das Amendoeiras.
"É evidente que todos sabemos que é uma renda absolutamente desatualizada", admitiu Vítor Vieira, explicando que, há cerca de dois anos, o IHRU informou-o que a renda técnica era de 258 euros, o que considera "um aumento absolutamente incompatível".
Para o morador do bairro das Amendoeiras, uma renda aceitável tinha que ser "entre os 50 e os 70 euros".
De acordo com Vítor Vieira, o regime de arrendamento apoiado foi "muito penalizador" para os moradores, pelo que as alterações introduzidas vieram "repor alguma justiça".
"Neste momento, está um pouco mais justa, mas ainda não está dentro dos mínimos daquilo que a gente quer", afirmou o morador, considerando que se pode ir mais longe em algumas medidas, nomeadamente na taxa de esforço do pagamento da renda.
A lei que estabelece o atual regime do arrendamento apoiado, aplicável aos cerca de 120 mil fogos sociais existentes no país, geridos pelo IHRU e pelas autarquias, entrou em vigor em março de 2015, altura em que foi contestada pelos moradores dos bairros sociais devido ao aumento das rendas e à facilitação dos despejos, tendo sofrido alterações em setembro de 2016 com vista a "uma maior justiça social".

Torneio Futebol 7 – Veteranos

Torneio Futebol 7 – Veteranos

Se tem mais de 35 e gosta de jogar futebol, junte a sua equipa e inscreva-se no Torneio de Futebol 7 de Veteranos da freguesia de Benfica!
 
Este torneio, a decorrer de 13 de março a 5 de junho, é uma iniciativa organizada pela Junta de Freguesia de Benfica e conta com o apoio de todas as associações e clubes da freguesia.
O torneio realiza-se às segundas-feiras, entre as 20h e as 00h, nos campos do Clube Desportivo Lisboa e Águias.
As inscrições podem ser feitas através do email: inscricoes@jf-benfica.pt
Consulte aqui o regulamento:
http://www.jf-benfica.pt/torneio-futebol-7-veteranos/

4 de março de 2017

Agenda da Freguesia de Benfica, já está online WWW.BENFICAACONTECE.PT


Está a Chegar Primavera Fest


JF São Domingos de Benfica — inscreve-te para Monitor das nossas colónias de férias até ao dia 17 de março

Tens 18 anos ou mais? Tens no mínimo o 9º ano de escolaridade? Tens disponibilidade para participar em ações de formação e experiência em atividades de férias com crianças dos 6 aos 12 anos?

Então inscreve-te para Monitor das nossas colónias de férias até ao dia 17 de março na secretaria da Junta de Freguesia de São Domingos de Benfica.

Documentos a entregar:

- Formulário de inscrição;

- Curriculum Vitae com fotografia;

- Fotocópia do cartão de contribuinte;

Documentos a apresentar:

- Bilhete de identidade ou cartão do cidadão

Ficha de Inscrição - https://jf-sdomingosbenfica.pt/wp-content/uploads/2017/03/ficha-inscricao-monitores2017.pdf

CASAMENTOS DE SANTO ANTÓNIO, INSCRIÇÕES ATÉ 13 DE MARÇO

CASAMENTOS DE SANTO ANTÓNIO, INSCRIÇÕES ATÉ 13 DE MARÇO

As inscrições para os Casamentos de Santo António 2017 estão abertas até dia 13 de março, podendo ser efetuadas nos postos do Balcão Único da Câmara Municipal de Lisboa, preenchendo o respetivo boletim de inscrição e anexando os documentos solicitados.

Mais informações em http://www.cm-lisboa.pt/noticias/detalhe/article/casamentos-de-santo-antonio-inscricoes-ate-13-de-marco