Os Padrinhos da Marcha do Bairro da Boavista - TvGuia


MAIS DE 6000 JORNAIS E REVISTAS NA PONTA DOS SEUS DEDOS!

Quem somos

Para saber mais sobre o PressReader, assista demos e leia as dicas mais recentes e muito mais, visite nosso blog

Obtenha o PressReader para

Registre-se para o informativo

Inscreva-se abaixo para receber as últimas atualizações & notícias do PressReader.com

Com vis­ta à VI­TÓ­RIA!

A mar­cha está de volta, após um ano de au­sên­cia, e tra­ba­lha pa­ra um bom re­sul­ta­do... com dois ros­tos co­nhe­ci­dos. “Já fui pa­dri­nho de uma, com 10 anos”, re­cor­da o ac­tor

Artigos relacionados

  • por...“O con­gres­so vis­to

Amar­cha do bair­ro da Bo­a­vis­ta prepara um re­gres­so em gran­de à Ave­ni­da da Li­ber­da­de, após ter es­ta­do pa­ra­da na úl­ti­ma edi­ção. Pa­dri­nhos, mar­chan­tes e to­dos os ele­men­tos da es­tão ani­ma­dos e or­gu­lho­sos do tra­ba­lho que têm vin­do a de­sen­vol­ver, des­de Mar­ço, al­tu­ra em que co­me­ça­ram os en­sai­os. Ain­da as­sim, o en­sai­a­dor, Ra­fa­el Ro­dri­gues, não ne­ga al­gu­mas di­fi­cul­da­des ini­ci­ais, so­bre­tu­do porque os mar­chan­tes são qua­se to­dos mui­to jo­vens e no­vos nes­tas an­dan­ças. “Foi um bo­ca­di­nho com­pli­ca­do, porque ti­ve­mos de dar to­das as ba­ses e ain­da es­ta­mos a afi­nar al­gu­mas coi­sas. De res­to, acho que eles têm bom re­la­ci­o­na­men­to uns com os ou­tros, amam mui­to o bair­ro, aca­tam bem as in­di­ca­ções que lhes da­mos, e têm or­gu­lho no que fa­zem. Es­ta mar­cha tem tu­do pa­ra cor­rer bem!” Cus­tó­dia Gal­le­go é a ma­dri­nha da mar­cha, um pa­pel que le­va mui­to a sé­rio. “É uma coi­sa de res­pon­sa­bi­li­da­de. Es­tas pes­so­as vi­vem nos seus bair­ros e vão mos­trar o brio e o or­gu­lho que têm nes­se dia.” A ac­triz está par­ti­cu­lar­men­te agra­da­da com a co­re­o­gra­fia. “Tem pas­sos em que se no­ta mui­ta le­ve­za, é mais pró­xi­ma da dan­ça do que es­tar ali só a cum­prir uma co­re­o­gra­fia pa­ra mos­trar que con­se­gui­mos fa­zer is­to bem.”
Amar­cha do bair­ro da Bo­a­vis­ta prepara um re­gres­so em gran­de à Ave­ni­da da Li­ber­da­de, após ter es­ta­do pa­ra­da na úl­ti­ma edi­ção. Pa­dri­nhos, mar­chan­tes e to­dos os ele­men­tos da es­tão ani­ma­dos e or­gu­lho­sos do tra­ba­lho que têm vin­do a de­sen­vol­ver, des­de Mar­ço, al­tu­ra em que co­me­ça­ram os en­sai­os. Ain­da as­sim, o en­sai­a­dor, Ra­fa­el Ro­dri­gues, não ne­ga al­gu­mas di­fi­cul­da­des ini­ci­ais, so­bre­tu­do porque os mar­chan­tes são qua­se to­dos mui­to jo­vens e no­vos nes­tas an­dan­ças. “Foi um bo­ca­di­nho com­pli­ca­do, porque ti­ve­mos de dar to­das as ba­ses e ain­da es­ta­mos a afi­nar al­gu­mas coi­sas. De res­to, acho que eles têm bom re­la­ci­o­na­men­to uns com os ou­tros, amam mui­to o bair­ro, aca­tam bem as in­di­ca­ções que lhes da­mos, e têm or­gu­lho no que fa­zem. Es­ta mar­cha tem tu­do pa­ra cor­rer bem!” Cus­tó­dia Gal­le­go é a ma­dri­nha da mar­cha, um pa­pel que le­va mui­to a sé­rio. “É uma coi­sa de res­pon­sa­bi­li­da­de. Es­tas pes­so­as vi­vem nos seus bair­ros e vão mos­trar o brio e o or­gu­lho que têm nes­se dia.” A ac­triz está par­ti­cu­lar­men­te agra­da­da com a co­re­o­gra­fia. “Tem pas­sos em que se no­ta mui­ta le­ve­za, é mais pró­xi­ma da dan­ça do que es­tar ali só a cum­prir uma co­re­o­gra­fia pa­ra mos­trar que con­se­gui­mos fa­zer is­to bem.”
Amar­cha do bair­ro da Bo­a­vis­ta prepara um re­gres­so em gran­de à Ave­ni­da da Li­ber­da­de, após ter es­ta­do pa­ra­da na úl­ti­ma edi­ção. Pa­dri­nhos, mar­chan­tes e to­dos os ele­men­tos da es­tão ani­ma­dos e or­gu­lho­sos do tra­ba­lho que têm vin­do a de­sen­vol­ver, des­de Mar­ço, al­tu­ra em que co­me­ça­ram os en­sai­os. Ain­da as­sim, o en­sai­a­dor, Ra­fa­el Ro­dri­gues, não ne­ga al­gu­mas di­fi­cul­da­des ini­ci­ais, so­bre­tu­do porque os mar­chan­tes são qua­se to­dos mui­to jo­vens e no­vos nes­tas an­dan­ças. “Foi um bo­ca­di­nho com­pli­ca­do, porque ti­ve­mos de dar to­das as ba­ses e ain­da es­ta­mos a afi­nar al­gu­mas coi­sas. De res­to, acho que eles têm bom re­la­ci­o­na­men­to uns com os ou­tros, amam mui­to o bair­ro, aca­tam bem as in­di­ca­ções que lhes da­mos, e têm or­gu­lho no que fa­zem. Es­ta mar­cha tem tu­do pa­ra cor­rer bem!” Cus­tó­dia Gal­le­go é a ma­dri­nha da mar­cha, um pa­pel que le­va mui­to a sé­rio. “É uma coi­sa de res­pon­sa­bi­li­da­de. Es­tas pes­so­as vi­vem nos seus bair­ros e vão mos­trar o brio e o or­gu­lho que têm nes­se dia.” A ac­triz está par­ti­cu­lar­men­te agra­da­da com a co­re­o­gra­fia. “Tem pas­sos em que se no­ta mui­ta le­ve­za, é mais pró­xi­ma da dan­ça do que es­tar ali só a cum­prir uma co­re­o­gra­fia pa­ra mos­trar que con­se­gui­mos fa­zer is­to bem.”
EX­PE­RI­ÊN­CIA OPERÁRIA
A seu la­do, Cus­tó­dia Gal­le­go tem Di­o­go Mar­tins. E se a co­le­ga já foi ma­dri­nha de ou­tras mar­chas, o ac­tor co­nhe­ce ain­da me­lhor es­ta fes­ta, tão lis­bo­e­ta. “Fui pa­dri­nho, com 10 anos, da mar­cha da Voz do Operário. Es­ta vai ser a mi­nha pri­mei­ra vez co­mo
A seu la­do, Cus­tó­dia Gal­le­go tem Di­o­go Mar­tins. E se a co­le­ga já foi ma­dri­nha de ou­tras mar­chas, o ac­tor co­nhe­ce ain­da me­lhor es­ta fes­ta, tão lis­bo­e­ta. “Fui pa­dri­nho, com 10 anos, da mar­cha da Voz do Operário. Es­ta vai ser a mi­nha pri­mei­ra vez co­mo
Adul­to. Na al­tu­ra, estava a fa­zer a no­ve­la Ama­nhe­cer, da TVI, com a Sa­ra Bar­ra­das, que ti­nha 12. Co­mo era uma mar­cha de miú­dos, aca­ba­ram por nos con­vi­dar pa­ra ser­mos os pa­dri­nhos.” O pa­dri­nho da Mar­cha do Bair­ro da Bo­a­vis­ta acre­di­ta que se­rá mais fá­cil des­fi­lar, ago­ra, na ave­ni­da. “Em cri­an­ça foi mais di­fí­cil do que ago­ra, porque eu era mui­to re­ser­va­do, quan­do era miú­do. To­da es­ta ex­po­si­ção com as pes­so­as afli­gia-me um bo­ca­di­nho. Des­ta vez, vou-me di­ver­tir bas­tan­te.”
Adul­to. Na al­tu­ra, estava a fa­zer a no­ve­la Ama­nhe­cer, da TVI, com a Sa­ra Bar­ra­das, que ti­nha 12. Co­mo era uma mar­cha de miú­dos, aca­ba­ram por nos con­vi­dar pa­ra ser­mos os pa­dri­nhos.” O pa­dri­nho da Mar­cha do Bair­ro da Bo­a­vis­ta acre­di­ta que se­rá mais fá­cil des­fi­lar, ago­ra, na ave­ni­da. “Em cri­an­ça foi mais di­fí­cil do que ago­ra, porque eu era mui­to re­ser­va­do, quan­do era miú­do. To­da es­ta ex­po­si­ção com as pes­so­as afli­gia-me um bo­ca­di­nho. Des­ta vez, vou-me di­ver­tir bas­tan­te.”
TV Guia
8 junho 2018
46
Aa
Aa
Aa
Aa
Aa
Aa
Aa
Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Aa

Aa
Aa

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Pharmácia do Cabelo apoia a Marcha da Boavista, saiba mais aqui.